Irmãs nascidas na alma e no coração.

Por Leandro Aguiar

Confesso que eu não sou muito afeito a datas comemorativas e normalmente esqueço-me das celebrações, além de esquecer não costumo curtir devido ao fato de que vivemos em uma sociedade em que todos estão sempre competindo e ao explicitar amor por alguém é quase como negar a possibilidade de outros “amores”, outros “bem-quereres”, outros “gostares”... Passei a vida buscando formas de negar a esta forma de ver o mundo, sempre achei que as pessoas ocupam funções específicas a partir da forma como entram na sua vida e dessa maneira ninguém é mais que ninguém, ninguém é mais importante que ninguém, no entanto não posso passar esse dia em branco, não posso deixar de mostrar quatro pessoas que vieram ao mundo como anjos para ao seu modo cuidar de mim:

10394578_666263910094105_6987290399199283959_nRaquel Amaya divide os genes e lembranças comigo, ao lado dela brinquei a vida toda, ao lado dela construí sonhos e dividi momentos, um presente que o divino mandou para mim e que me ama e defende incondicionalmente, assim como eu a amo sem vírgulas, reticências, ou parênteses.

Tenho vivas na memória as vezes que ela deitava no meu colo no corredor do apartamento em que morávamos com mamãe e vovó para que eu lesse para ela, muitas vezes eu me sentia incomodado por preguiça, mas ainda assim fazia, e o fazia por que apesar de nossas brigas eu sabia que aquele era um carinho para alguém que estaria sempre ali, de alguma forma eu sabia. Saudades de um tempo que já passou e que não volta mais...

Mas como falar de amor incondicional sem falar de minha “irmã mais velha”? Luciana Cerqueira que me conheceu 13939305_1069147266472432_7495448971219934794_nvia Facebook efetivou-se no “cargo” por ter me conhecido no pior momento de minha vida e ainda assim apesar das calúnias e agressões apenas sentiu e viu com a alma aquilo que ninguém em sã consciência veria e acreditaria, acreditou nos meus valores, princípios e caráter.

Jamais impôs senões, apenas me amou intensa e profundamente, cuida de mim como somente algumas poucas pessoas o fizeram ao longo da vida e por isso transcende a posição de importante, é na verdade essencial.

E por falar em essencial me vem na cabeça a imagem de Aline Vellani, um encontro casual, casual? Nunca!

Era o Orô de Babá Oxalá que ao lado de Babá Xangô cuida do meu Ori quando descobri de uma só vez que assim como eu ela tinha Xangô e era nascida no dia dele.

Aline é minha irmã gêmea, nos tratamos assim e ai pergunto: Por que almas gêmeas necessariamente precisam ter uma relação conjugal?

10464267_876616395684123_3340453068703821634_n

Somos almas gêmeas sim, mais um caso em que nos amamos por amar, nos queremos por querer e com ela ganhei um cunhado e um sobrinho que são praticamente organismos simbióticos com ela.

E por fim me pergunto: O que falar de Luciana de Giu?

Um encontro rigorosamente espontâneo, improvável, paixão avassaladora e a compreensão mútua de que havia algo mais ali  e que estávamos um na vida do outro para muito antes daquele, seria paixão a primeira vista?13879309_1069156259804866_1870568602780966359_n

Sim, Paixão!!!!

Amo os cuidados que essa menina tem comigo, amo a forma que ela se importa comigo e em pouco tempo também se tornou essencial, penso nela todos os dias. Será que a Lu está com frio? Será que se alimentou? O que está fazendo?

No fundo cada uma delas é apenas uma, frações de uma alma que veio para ser a expressão de um amor que independe de sexo e interesses desse mundo, vários amores que se complementam e que me fazem ver que eu não estou e nunca estarei sozinhos e se alguém me pedisse uma definição eu diria que são “encantadas”, a definição “anjos” que usei lá no início ainda será pouco para definir aquilo que são, e o papel que cumprem, passa uma imensa sensação de incompletude frente a pessoas que fecharam os olhos para quem me atacava com o fígado e me olharam com o coração.

Não sei mais o que dizer e de que forma dizer, dia dos irmãos é apenas mais uma data, amo vocês todos os dias, desde sempre e para o sempre.


10427341_754494814604347_8038451554430186122_nLeandro Aguiar  é filho de Oxalufã e Airá, historiador, professor titular da rede estadual de São Paulo, foi um dos ativistas que empreenderam em São Paulo  92 dias da histórica greve por educação pública e de qualidade é editor do Projeto Escola dos Communs.

One Comment

  • LUCIANA DE GIUSSIO

    Família!
    Qual a definição?
    O que é?
    Família é quem escolhemos amar, sem laços de sangue ou contando com ele, mas os verdadeiros laços são os afeitvos, pois estes transcendem as vidas.
    Obrigada por tudo!
    Bjs

Deixe uma resposta